Metamorfose Cursos - Porto Alegre, RS
Capa | Quem Somos | Cursos Online | Cursos em Porto Alegre | Editora | Fotos | Contato
Oficinas de Escrita Criativa | Cursos para Escritores Grupos de Leitura e de Escrita | Marketing Digital | Teatro

Metamorfoses

Módulo do Curso de Formação de Escritores procura aproximar a prosa e a poesia

 
O próximo módulo do Curso Livre de Formação de Escritores, Escrevendo Poesia, propõe-se a discutir a poesia como técnica, história e subjetividade. "Trabalhamos para que as pessoas também no seu cotidiano tenham um pouco mais de percepção poética das coisas", afirma Marlon Almeida, poeta e professor do curso.
 
Marlon é doutor em Letras pela UFRGS com tese sobre a poesia de Guilhermino Cesar. É autor de 8 livros de poesia. Além de escritor, é professor do Colégio de Aplicação da UFRGS. Na entrevista a seguir, comenta para quem o curso é indicado, quem pode escrever poesia, qual a forma de lidar com a resistência dos alunos com a escrita poética e qual o lugar da poesia no mercado hoje.
 
 
Luísa Tessuto: O curso será mais sobre a história das correntes literárias do texto poético ou irá focar mais nas técnicas para a escrita poética? Ou os dois?
 
Marlon de Almeida: É um curso de prática, especialmente de leitura e criação literária de texto poético, ou seja, o foco central é relacionado a técnicas para escrita poética, mas é preciso de um laço teórico, que será trabalhado justamente com base na história das correntes literárias.
 
Luísa: Na sua opinião, a oficina é mais indicada para quem já escreve poesia ou para quem não entende tanto do gênero?
 
Marlon: Na minha opinião, a oficina é indicada tanto para quem já escreve poesia, quanto para quem não entende tanto do gênero, já que trabalhamos alguns conceitos básicos, mas a partir de uma dinâmica que permita, mesmo o aluno experiente em relação ao texto poético, um aprimoramento da sua condição de leitor e autor de poesia.
 
Luísa: Qualquer pessoa pode escrever poesia?
 
Marlon: Me parece que a índole poética é da essência humana. Entretanto, é evidente que, como qualquer arte, a poesia exige técnica. E para isso que serve um curso de formação de escritores, ou uma oficina, para que a pessoa desenvolva essas técnicas.
 
Luísa: No curso de formação, percebemos uma certa resistência dos alunos com a poesia. Como lidar com isso?
 
Marlon: No curso de formação de fato, já é a terceira edição que eu participo dele a convite da Metamorfose, há uma certa resistência sim com a poesia por parte de alguns alunos. Nós tentamos quebrar essa resistência trabalhando de forma dinâmica, e de forma que seduza o aluno, especialmente aquele que gosta mais do texto em prosa, no sentido de que ele utilize as técnicas do texto poético como alternativa para incrementar o seu texto, mesmo em prosa.
 
Luísa: Estudar poesia pode ajudar quem quer escrever prosa?
 
Marlon: Estudar poesia pode ajudar quem escreve prosa, com certeza, até porque nós não somos nada sem o estudo, sem a ciência, e sem o aprimoramento. Então mesmo quem já conhece o assunto, ou a base do assunto, nunca é demais a interlocução com outros profissionais, com colegas, enfim. Nesse sentido, a confluência de gêneros como a música e a literatura, é interessante, e é uma perspectiva do curso.
 
Luísa: Qual é a tua visão sobre o espaço que a poesia tem hoje no mercado editorial?
 
Marlon: Sabemos que é curto o espaço, mas a poesia se associou a outras formas, como eu tinha citado antes, à música, às artes visuais, para que esse espaço permanecesse mínimo. A mídia publicitária hoje se utiliza da função poética da linguagem como um trampolim para seus textos, suas mensagens ganharem uma maior visibilidade. Então eu acredito que embora o espaço da poesia, especialmente a poesia clássica, ou a poesia mais tradicional, tenha com o tempo se perdido, também houve a possibilidade de a poesia se associar a outros gêneros e a outras formas de manifestação. A poesia, assim como a narrativa, nunca deixará de existir enquanto houver civilização. É do ser humano a necessidade de ouvir e de contar histórias, e é do ser humano, numa medida menor ou maior, embeber-se daquilo que o Edgar Morin chamou de “estado poético de viver”. É para isso que trabalhamos: para que as pessoas também no seu cotidiano tenham um pouco mais de percepção poética das coisas.


29/05/2018


Acesso rápido: Capa | Quem Somos | Cursos em Porto Alegre | Cursos Online | Editora Metamorfose | Espaço Metamorfose | Contato